Luís de Camões visita o Brasíl

Após cerca de quatro séculos de purgatório, devido a seu envolvimento com crimes coloniais portugueses, Luís de Camões foi libertado, perdoado devido à excelência de sua obra poética amada, indistintamente, por anjos e demônios. Resolveu, então, dar uma volta pelas antigas possessões lusas. Observando a cena brasileira atual, embora lanhado e chamuscado por séculos de fogo e chibata, quis desesperadamente retornar ao abismo, pleito que lhe foi negado pelo burocrata capeta de plantão. Alquebrado não teve forças para versejar. Resolveu, portanto, adaptar algumas de suas antigas rimas à situação do Brasil, impressionado que ficou com a continuidade entre FHC e Lula:
Após Itamar da terra surge o brando

(Vede da natureza o desconcerto),

Remisso e sem cuidado, algum, Fernando,

Que todo o Reino pôs em muito aperto;

Que, vindo o americano devastando

As terras sem defesa, esteve perto

De destruir-se o Reino totalmente;

Que um fraco rei faz fraca a forte gente.

(Os Lusíadas, do canto terceiro, 138)

Vós que sublimastes a esperança

De Luis Inácio, novo rei de raiz pobre,

Que chegou ledo, em risos, sem tardança,

Pera dar andança à obra nefasta e pouco nobre;

Pois se, com os seus descuidos e pecados,

Fernando, em tal fraqueza assim vos pôs,

Não vos torne vossas forças o Rei novo,

Se é certo que co igual rei não muda o povo.

(Os Lusíadas, do Canto Quarto , 17)

2017-11-02T19:26:45-02:00By |Opinião|

Deixar Um Comentário